Grandes líderes não se preocupam com pessoas.

Ao ser indagada com a pergunta “ Qual líder que você gostaria de ser?”  primeiramente fiquei sem resposta, é impressionante como nessas horas parece que some toda e qualquer  resposta da nossa cabeça, todo mundo parece líder, mas ninguém parece interessante para ser base. Após a pausa do meu silêncio a pessoa retornou “vai, pode ser o Justos.. qualquer um, que líder você gostaria de ser?”.

Entre nós, a resposta verdadeira no momento seria nenhum. Todos os líderes existentes que eu admiro têm no mínimo uma coisa que eu faria diferente e isso faz com que eu não queira ser nenhum deles.  E em segundo lugar, há pouco tempo descobri que muitas vezes a admiração vem do desconhecimento e não posso querer ser aquele que não conheço.

Porém, eu não podia ficar sem resposta. Sendo assim, eu que tenho acompanhado o twitter da Luiza Trajano respondi que achava ela uma pessoa simpática. E logo veio a próxima pergunta “por que você acha isso? O que tem nela que você gostaria de ter?” e até que essa foi fácil de responder “ ela parece se preocupar com as pessoas”.

Podia ter parado por aí, ter sido uma conclusão incrível, mas não. A conversa continuou com “você acredita mesmo nisso? Grandes líderes tem muita coisa para se preocupar, grandes líderes não se preocupam com pessoas”.  Nesta hora eu concordei sem querer, sem saber o que pensar e a conversa tomou outros rumos, mas esta frase está há mais de uma semana na minha cabeça “grandes líderes não se preocupam com pessoas”.

Bom, antes de rever a minha profissão que lida diretamente com pessoas, que exige a presença de vários emissores e vários receptores, de saber ouvir e falar enfim… área de HUMANAS, resolvi rever conceitos, peguei a velha e boa apostila da pós graduação (em Administração de Empresas pela FGV- pensei que pudesse ser considerada) que estava quase esquecida e fui rever as aulas que um grande executivo do mercado deu sobre “Liderança e Inovação”.

Tamanha foi a minha alegria ao encontrar uma aula inteira só de liderança e lá estar:

Características de um líder:

– Trabalho interativo,

– Tarefas em grupo…

Bom, são muitos itens, mas só os dois primeiros já me convencem de que se para ser um líder você tem que ser interativo e trabalhar em grupo, você deve no mínimo saber trabalhar com pessoas.  Além disso, vem em seguida que a liderança é a habilidade de interação com as pessoas.

Gente, é extremamente agradável  encontrar bases para podermos continuar  com nossas crenças e convicções e saber que no fundo não importam o que falam se acreditarmos em nossos valores. Sendo assim, percebi mais do que nunca que muitas pessoas tem um bom marketing ligado ao nome sendo chamado de grande líder, mas não passam de bons gestores.

Quer saber? Eu não quero ter apenas cargo alto se meu maior desafio for eu mesma, se minha concentração for unicamente em objetivos e resultados… eu não me importo de não ter um grande nome do mercado para me servir de exemplo . Eu quero ser eu e me desenvolver de acordo com aquilo que acredito.

Se me perguntassem agora um grande líder que eu gostaria de ser? Talvez a resposta seja a minha avó, serve?

Anúncios

30º POP – Aberta a inscrição para festa de premiação

Está marcada para o dia 30/11 (terça-feira), às 20hs, no Auditório Simón Bolívar do Memorial da América Latina, a cerimônia de premiação da 30ª edição do Prêmio Opinião Pública – POP.

O evento é promovido pelo Conselho Federal de Profissionais de Relações Públicas e realizado pelo Conrerp 2ª Região SP/PR. Para participar, basta preencher o formulário de inscrição no site do Conselho (www.conrerp2.org.br) ou pelos telefones (11) 3872- 4080/  0800-167-853.
O POP – que premiará, este ano, treze cases inscritos por profissionais e agências de relações públicas – tem patrocínio do Grupo Abril, Aberje, Aiá Produtora, Basf, Embraer, Itaú-Unibanco, Natura, Qualicorp, Sabesp, com  apoio da  ABRP, Abracom, Arena Comunicação Digital, Chamonix Buffet, Portal Comunique-se, Identitá Comunicação, JCC, Jornalistas & Cia, La Compagnie, Massoco & Massoco Advogados, Maxpress, Portal Mundo RP, Negócios da Comunicação, Rádio Mega Brasil, Sinprorp e Voice Comunicação Institucional.

#ILoveRP

O blog RPitacos está com um projeto muito bacana “que tem o objetivo de mostrar à comunidade em geral e, principalmente, àqueles que ainda não escolheram uma profissão e desejam saber um pouco mais do que faz um Relações Públicas, como é trabalhar nesta área com um leque de opções, às vezes, desconhecido pelo grande público e o porquê dessa área ser tão apaixonante”

O que deve fazer? A ideia é que os profissionais respondam a 4 perguntas básicas:

– Por que você faz Relações Públicas?
– Como você descobriu sua aptidão para essa área do conhecimento?
– Como você avalia a valorização da profissão na mídia? (nessa questão, pode-se analisar desde o começo ou focar num período específico)
– Com o contexto da recente declaração do professor da FACAMP a jovens vestibulandos, o que você falaria para estes alunos que gostariam de fazer Relações Públicas?

Achei bem legal a analogia que eles fizeram para o   limite de caracteres : mínimo de 1202 (Dia Nacional das Relações Públicas lido em inglês: December, 02nd) e máximo de 2609 caracteres (homenagem ao Dia Interamericano das Relações Públicas), não contando os espaços entre as palavras.

As respostas já podem ser enviadas e valem até o dia 01/12, às 16h. O texto deve estar nas normas da ABNT e, de preferência, no programa Microsoft Word 2003. Deve ser enviado para o e-mail do blog: rpitacos@yahoo.com.br. Ao enviar o texto, é necessário colocar o nome completo, a faculdade em que estuda, o ano do curso em que está (se já é formado, basta só o nome da faculdade) e um mini CV de 200 a 400 caracteres.

O blog terá, de 02/12 a 09/12 (exceto no domingo, dia 05), posts todos os dias com os textos mais interessantes enviados pelos  colegas de profissão e, no dia 10/12, haverá um fechamento e avaliação desta ação. Não haverá prêmios materiais para os textos publicados, mas o blog acredita (e eu também!) que quem mais ganhará com essa ação são as Relações Públicas.

E vamos dizer juntos: #ILoveRP!

Os líderes e a nova geração

 

Já li em diversos lugares que a geração Y é uma geração diferente, de pessoas que não criam vínculos,  que tem pressa e até já nos chamaram de “insubordinados”. Pois bem, mas o que dizer dos que hoje ocupam cargo de liderança e não conseguem passar ao menos confiança?

Li uma frase da @mansiv que pra mim é o real significado da palavra: “Confiança é tudo e se constrói a partir da previsibilidade. Você demonstra consistência e eu confio. E vice versa.” As pessoas precisam entender que coordenar, supervisionar ou gerenciar não é apenas saber o que está acontecendo, é preciso participar, formar opinião e ter consistência de informação, para assim passar confiança para a equipe e construir processo mútuo.

Na semana passada acompanhei a twitcam da @Lili_Fonseca (trainee da Danone) e ela diz que as pessoas  não estão preparadas para receber esta nova geração. Eu concordo!

Eu baseio a minha felicidade corporativa em 3 pontos: crescimento, uso do meu potencial e uma boa convivência comigo e com aqueles com quem trabalho. Se o meu superior concorda com tudo o que eu faço, não me permitindo troca e acata as coisas mais óbvias como se fossem as melhores ideias para me manter motivado, eu não preciso nem falar da convivência, que certamente não será boa… Isso frustra!

Ao mesmo tempo, por nos acharem novos e com “o rei na barriga”, muitos também acabam vestindo um papel de “muito melhores”, não acatam nenhuma de nossas ideias e novamente a relação acaba por não existir, o que também frustra.

Acho que vale uma boa reflexão de todos sobre este assunto. Falam que a geração Y isso, que a geração Y aquilo, mas o que disso tudo pode ser trabalhado como positivo e como estes, que tanto falam da geração Y, podem se atualizar para que exista troca?

Os líderes e a dificuldade de alinhar o discurso com a prática!

Há pouco tempo saiu uma reportagem no portal da Revista Exame cujo o título é:  “Visão e valores são ignorados por 91% dos líderes”. E como era de se esperar, um tema como este é impossível de não chamar a atenção de uma relações-públicas que no primeiro ano da faculdade, em 2004, aprendeu a importância dos Princípios Organizacionais (missão, visão e valores).

“A pesquisa revela também que 70% dos pesquisados consideram que são poucos os líderes inspiradores, justos e capazes de estimular o desenvolvimento individual e das equipes” Nas empresas onde trabalhei  Na prática, é isso mesmo que acontece, as pessoas acabam confundindo cargo de gerência com o de liderança. Nem todo líder é gerente e vice e versa.

Na matéria eles expõe causas e soluções para isso, porém aqui falarei da percepção mercadológica e com uma visão de comunicação.

Sendo assim, precisamos levar em consideração algumas coisas:

1-       cultura da empresa depende da bagagem de seus funcionários e tudo aquilo que ele traz com ele: seus sentimentos, emoções, expectativas e valores. O discurso deve estar alinhado com a prática. Muito além de quadros na parede, os princípios organizacionais fazem parte da estratégia da empresa e não há nada de mal em mudá-lo se necessário. Além disso, as pessoas estão em constantes mudanças que devem ser percebidas e deve-se criar um ambiente empresarial que favoreça o crescimento, e invista no capital intelectual.

2-      Se a empresa tem valores é ideal que eles estejam refletidos em seus funcionários. Um problema atualmente é que as pessoas sabendo disso, se adaptam para participar de entrevistas e acabam sendo selecionadas sem realmente se identificar com a empresa e muitas vezes não consegue se adaptar.

3-      Visão  é o caminho que a empresa trilhará e não pode ser muito utópico como muitas são, pois daí perde-se o rumo . Já diz a famosa frase “Quem não sabe onde quer chegar, qualquer caminho serve”.

Certamente há muitas outras coisas a serem levadas em consideração, porém, com estes três exemplos já dá para perceber o por que a visão e os valores são ignorados pela grande maioria dos líderes. Primeiro, porque os líderes não são inspiradores e acabam não disseminando valores, segundo por não estimularem o  desenvolvimento – que deve fazer parte da cultura da empresa a qualificação dos funcionários e terceiro, porque muitas vezes a visão empresarial não é clara.

Concluo que há um grande trabalho estratégico por parte das pessoas de Relações Públicas Comunicação nas empresas para que atuem com o planejamento e a disseminação dos princípios organizacionais e mais do que isso, para alinhar o discurso a prática.  Mãos a obra…

Para quem tiver interesse na matéria da Revista Exame, está disponível no seguinte link: http://portalexame.abril.com.br/gestao/noticias/visao-valores-sao-ignorados-91-lideres-595892.html

* Este texto foi enviado para  OCappuccino para participar do processo de seleção de novos colaboradores para o blog.

CONRERP LANÇA SEU BLOG OFICIAL

O CONRERP (Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas) 2ª Região – SP/PR acaba de colocar no ar o Blog do Conrerp 2, ancorado pela conselheira da entidade Meire Fidelis. O espaço digital oficial da entidade vai divulgar, inicialmente, todas as informações sobre a 30ª edição do POP – Prêmio Opinião Pública, que será entregue no dia 30 de novembro em São Paulo e cujas inscrições foram prorrogadas para o dia 24 de setembro.
 
Depois, o blog do Conrerp vai divulgar as atividades e anunciar todas as novidades da entidade criada há quase 40 anos para zelar pelos direitos dos profissionais de Relações Públicas. Para conhecer o novo blog basta acessar www.conrerp2.org.br .

30ª EDIÇÃO DO POP – PRÊMIO OPINIÃO PÚBLICA

As inscrições para o 30º POP (Prêmio Opinião Pública), voltado para profissionais e agências de relações públicas, encerram-se no dia 17 de setembro. O evento, realizado pelo CONRERP (Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas) 2ª Região – SP/PR, com promoção do CONFERP, já premiou cerca de 270 cases em três décadas.
 
A chancela que reconhece as melhores práticas profissionais em Relações Públicas é distribuída em oito categorias: Organizações Públicas; Organizações Privadas; Organizações de Terceiro Setor; Sustentabilidade: Responsabilidade Social e Ambiental; Internacionais; Gestão de Crises; Novos Mercados e Empreendedorismo; e Universidades.
 
Este ano tem uma novidade que é a I Oficina de Cases, com o objetivo de colaborar com os profissionais de comunicação no passo a passo para elaboração de cases de relações públicas para participação no 30º POP – Prêmio Opinião Pública e acontecerá no dia 25 de agosto.

Mais informações com Marina Pimentel pelos telefones 0800 167 853 ou 11-3801-2450 / email: rp@conrerp2.org.br / site: www.conrerp2.org.br